Apocalipse verso a verso capítulo 07 - Estudos Bíblicos Adventistas

Estudos Bíblicos Adventistas
Ir para o conteúdo

Apocalipse verso a verso capítulo 07

O Apocalipse Verso a Verso - Índice
Apocalipse Verso a Verso - Graciela E. Rodrigues
O assunto é tão importante que Deus abriu um parêntesis, antes de falar sobre o sétimo selo, para mostrar a João que, antes da volta de Jesus, existirá um povo especial responsável por realizar uma obra profética mundial.

O capítulo sete apresenta informações adicionais particulares concernentes ao sexto selo. João visualiza esta cena antes de o céu retirar-se como um livro que se enrola e, depois dos sinais no Sol, na Lua e nas estrelas. Isso ocorre entre os versos 13 e 14 de Apocalipse 6.

Apoc. 7:1: “Depois destas coisas, vi quatro anjos que estavam sobre os quatro cantos da terra, retendo os quatro ventos da terra, para que nenhum vento soprasse sobre a terra, nem sobre o mar, nem contra árvore alguma.”

Os quatro cantos da Terra denotam os quatro pontos cardeais: Norte, Sul, Leste e Oeste. Isso significa que esses anjos têm toda a Terra para cuidar.

Os anjos são agentes sempre presentes nos negócios da Terra. Aqui fica claro que Deus lhes confiou uma poderosa obra: reter os quatro ventos da Terra. Isto é uma profecia a cumprir-se imediatamente antes da Segunda Vinda de Cristo.

Na Bíblia, ventos significam comoção política, agitação, guerras (Dan.7:2, 3, 16 e 17; Isa.17:12-14; Jer.49:35-37).

Não fosse pelos quatro anjos segurando os ventos, a civilização se auto-destruiria. Os anjos do mal estão agitando os ventos das guerras. Os acontecimentos internacionais falam em voz alta de que se aproxima o momento decisivo em que os ventos serão soltos, e se implante o caos total. Simultaneamente, ao serem soltos os ventos, virão as sete últimas pragas preditas no capítulo 16.

Mas, a obra dos anjos de segurar os ventos, tornará possível a realização de uma outra obra muito especial, que será descrita nos versos seguintes. O tempo da graça divina por um mundo caído e ingrato terá se esgotado para sempre. Multidões que estão recebendo e rejeitando o convite da misericórdia estarão excluídas da salvação que desprezam. Agora, porém, é o tempo da decisão.

Apoc. 7:2: “Vi outro anjo subir do lado do sol nascente, tendo o selo do Deus vivo. Ele clamou com grande voz aos quatro anjos, a quem fora dado o poder de danificar a terra e o mar,”

Apoc. 7:3: “dizendo: Não danifiques a terra, nem o mar, nem as árvores, até que tenhamos selado nas suas testas os servos do nosso Deus.”

A Bíblia usa as palavras “sinal” e “selo” de maneira intercalada. Em Gen.17:11, é dito que a circuncisão era um “sinal”. Em Rom. 4:11, ela é mencionada como sendo um “selo”. O selo é uma marca distinta que torna o povo de Deus diferente. Segundo as Escrituras, o selo de Deus é o sábado (Ex. 31:16-17; Ezeq.20:12, 20).

Os 10 mandamentos são a Lei de Deus. Para uma lei ser autêntica, é necessário que ela tenha três características. Nome do Legislador; Função e Território.

O quarto é o único mandamento onde é possível encontrar estas três características.

Êxodo 20: 8 a 11: “Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o Senhor o dia do sábado, e o santificou”.

Nome do Legislador: Deus

Sua função: Criador

Território: Terra

A expressão “selado nas suas testas” quer dizer que haveria um povo que teria consciência da importância de guardar e santificar o sábado, que é o selo de Deus. Como se trata de uma obra de evangelização, esse anjo deve representar, sem dúvida, um movimento mundial que deverá chamar a atenção dos homens para o selo de Deus.

O anjo é tão-somente o portador do selo. Mas, o Selador deve ser Aquele que é o único capaz de convencer os homens a aceitar o selo de Deus. O Espírito Santo é quem convence o homem do pecado, da justiça e do juízo. Em outras palavras, Ele convence o mundo sobre a transgressão da lei, porque pecado também é a transgressão da lei.

Só guardar o Sábado não garante o selamento, é preciso ser santificado. Somente depois de seus pecados serem apagados, por Jesus no santuário celestial, é que os Seus servos poderão receber o “selo do Deus vivo”, pois o Sábado, como vimos, é um sinal de “santificação” (Ezeq.20:20).

Apoc. 7:4: “E ouvi o número dos que foram selados, e eram cento e quarenta e quatro mil, de todas as tribos dos filhos de Israel.”

Apoc. 7:5: “Da tribo de Judá, doze mil foram selados; da tribo de Rúben, doze mil; da tribo de Gade, doze mil;”

Apoc. 7:6: “da tribo de Aser, doze mil; da tribo de Naftali, doze mil; da tribo de Manasses, doze mil; da tribo de Simeão, doze mil; da tribo de Levi, doze mil; da tribo de Issacar, doze mil;”

Apoc. 7:8: “da tribo de Zebulom, doze mil; da tribo de José, doze mil; da tribo de Benjamin, doze mil.”

Com certeza, esta profecia não trata do Israel – que foi condenado, como nação, por ter rejeitado o Filho de Deus.

Quem são, então, os 144 mil?

Os 144 mil representam um símbolo do Israel espiritual, a Igreja de Deus. O número 144 (12 tribos de Israel x 12 apóstolos) simboliza o povo de Deus de todos os tempos (Apoc. 21:12-14), por isso o número 144 é multiplicado por 1.000. Os 144 mil é um grupo especial de pessoas que estarão no Céu.

Apoc. 7:9: “Depois destas coisas olhei, e vi uma grande multidão, que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, que estavam em pé diante do trono e perante o Cordeiro, trajando compridas vestes brancas, e com palmas nas mãos.”

Apoc. 7:10: “Clamavam com grande voz: Salvação ao nosso Deus, que está assentado no trono, e ao Cordeiro.”

Apoc. 7:11: “Todos os anjos estavam em pé ao redor do trono e dos anciãos e dos quatro seres viventes, e prostraram-se diante do trono sobre seus rostos, e adoraram a Deus,”

Apoc. 7:12: “dizendo: Amém. Louvor e glória e sabedoria e ação de graças e honra e poder e força ao nosso Deus, para todo o sempre. Amém.”
Apoc. 7:13: “Então um dos anciãos me perguntou: Estes que estão vestidos de branco, quem são eles e de onde vieram?”

Apoc. 7:14: “Respondi-lhe: Senhor, Tu o sabes. Disse-me Ele: Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro.”

Apoc. 7:15: “Por isso, estão diante do trono de Deus e O servem de dia e de noite no Seu templo; e Aquele que está assentado sobre o trono estenderá o Seu tabernáculo sobre eles.”

Apoc. 7:16: “Nunca mais terão fome, nunca mais terão sede. Nem Sol nem calor algum cairá sobre eles.”

Apoc. 7:17: “Pois o Cordeiro que está no meio do trono os apascentará e os conduzirá às fontes das águas da vida. E Deus lhes enxugará dos olhos toda lágrima.”

O profeta contempla todos os santos salvos, “de todas as nações, e tribos, e povos e línguas”, de todos os séculos da história do mundo. Todos trajarão uma vestimenta única: as vestes brancas, simbólicas da justiça do Salvador.

Ostentarão palmas em suas mãos como emblemas da grande vitória alcançada sob o poder de Jesus. Esta multidão incontável é composta dos que “vieram da grande tribulação”.

Todos os cristãos passam por tribulações para entrar no reino de Deus (Atos 14:22). A Bíblia fala sobre o tempo de angústia “qual nunca houve, desde que houve nação” (Dan.12:1).

Nem fome, nem sede. Isso mostra que eles passaram fome e sede. Nas sete últimas pragas, os pastos, com todos os frutos e a vegetação, ficam secos (Joel 1:18-20), e os rios e fontes tornam-se em sangue (Apoc.16:4-7). Nesse tempo, a dieta de justiça será reduzida para pão e água, e isso será certo (Isa.33:16).

Nas pragas, o Sol recebe poder para “abrasar os homens com fogo” (Apoc.16:8-9). Os justos serão protegidos dos seus efeitos mortais.

Deus tem muitos filhos espalhados ao redor do mundo. São encontrados em todas as igrejas e até mesmo fora das igrejas. Sua mensagem de selamento está indo depressa a todas as terras, reunindo aqueles cujo coração é perfeito para com Ele.

Aqueles que estão diante do trono louvam e servem a Deus de dia e de noite porque “Deus lhes enxugará dos olhos toda lágrima”.
Texto da Jornalista Graciela E. Rodrigues, inspirado em palestra do Dr. Mauro Braga, advogado em S. Paulo.

Voltar para o conteúdo