Revelando os Mistérios de Daniel - Capítulo nº 01 - Estudos Bíblicos Adventistas

Estudos Bíblicos Adventistas
Ir para o conteúdo

Revelando os Mistérios de Daniel - Capítulo nº 01

Revelando os Mistérios de Daniel
Mais do que um Refém
 
A aparente derrota, ou mesmo um fracasso real, pode tornar-se vitória quando você descobre as maravilhas que a fé em Deus pode realizar, ainda que se seja prisioneiro ou escravo numa terra pagã e inóspita.
 
Por que estudar o livro de Daniel? Pelo menos por três razões: 1) porque é inspirado por Deus; 2) porque é especialmente dirigido às pessoas que vivem no tempo derradeiro da história terrestre; 3) porque proporciona esperança e otimismo nestes tempos de crises sucessivas, de violência e agressividade inusitadas e de confusão de valores e crenças.  
 
O livro de Daniel é dividido em dois segmentos: profecias e história. As profecias tratam dos grandes eventos através da história e apontam para um período chamado fim dos tempos.  
 
Suas histórias ensinam como podemos nos preparar para o fim dos tempos. Elas falam de fé, coragem e esperança. Em Daniel, as narrativas revelam ―como‖ através das qualidades da fé, coragem e esperança; e as profecias indicam ―quando‖. Na verdade, dentre todos os livros da Bíblia, Jesus chama a atenção para o estudo de Daniel.  
 
Se você estiver com sua Bíblia, apanhe-a e abra no capítulo 24 de Mateus. Jesus dá destaque a acontecimentos do fim dos tempos. Quando lemos esse capítulo, percebemos que ele é pura profecia. Nele Jesus ressalta as ocorrências que terão lugar antes do fim dos tempos. Ele fala sobre guerras e rumores de guerras, fomes, pestilências, terremotos e desastres da Natureza. Jesus antecipa as condições sociais de nosso tempo, advertindo sobre lares desfeitos, divórcios, conflitos familiares e aumento vertiginoso do crime e da violência.  
 
Você observa Mateus, capítulo 24, e entende ser esse realmente uma crônica atualizadíssima dos nossos dias. Pense bem, por que será que o próprio Jesus deu destaque a essas profecias? Por que Daniel as registrou séculos antes?  
 
Antes de mais nada, é preciso entender o propósito específico da profecia. A primeira intenção básica das profecias, como as de Mateus 24 e de Daniel, é habilitar o povo de Deus a se preparar para o futuro. Sabendo o que vai acontecer no futuro, temos condições de ficar alertas. Em segundo lugar, quanto mais estudamos a profecia e comprovamos seu cumprimento, mais cresce nossa confiança na Bíblia. Então, a profecia nos capacita a compreendermos o fato de a Bíblia ser um livro inspirado por Deus, e não um mito, uma alegoria ou drama histórico. A Bíblia é de fato verdadeira e portadora da Palavra de Deus.  
 
Credibilidade de Daniel Aumentada por Cristo
 
Depois de descrever o aumento do crime, violência, terremotos, fome e conflitos sociais em nossa sociedade, depois de descrever um mundo que é cheio de crime, cheio de divórcio, de nação contra nação e reino contra reino, Jesus disse: ―Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo (quem lê, que entenda).‖ (Mat. 24:15)  
 
Podemos depreender claramente que Jesus recomendava a leitura e compreensão das profecias de Daniel. Apesar desse conselho abalizado, há gente que diz que Daniel não foi profeta. Existem muitos historiadores eruditos sustentando que Daniel não foi um profeta de verdade; que as visões foram simplesmente fruto de sua imaginação.  
 
Mas, infelizmente para eles, sua voz perdeu volume, força e tom. Sabem por quê? Porque as profecias de Daniel têm sido confirmadas historicamente, e demonstram com exuberância uma inquestionável precisão.  
 
Antes os críticos costumavam afirmar com ares doutorais que tais profecias eram místicas e alegóricas, que não existiam provas arqueológicas ou históricas que as confirmassem. Agora existe abundância de evidências e comprovações científicas. A despeito disso, intentam mais uma incursão descabida contra o profeta de Deus, afirmando: ―Daniel não é um profeta, pois suas profecias foram muito precisas, ele deve ter escrito depois delas terem acontecido.‖ Ora, se Jesus disse que Daniel foi um profeta, então acredito que assim é. E você? Pense bem: Jesus faz um apelo convocando-nos para ler e entender Daniel. Pois bem, se o Senhor da verdade diz para estudarmos esse precioso livro, é porque isso é importantíssimo para nossa vida.  
 
Calamidades do Fim
 
Para que tempo as profecias de Daniel se aplicam? Qual é a época específica de que falam? Veja Daniel capítulo 12 verso 4: ―E tu, Daniel, fecha estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e a ciência se multiplicará.‖ Preste atenção agora ao verso 6: ―E ele disse ao homem vestido de linho, que estava sobre as águas do rio: Que tempo haverá até ao fim das maravilhas?‖ Vamos um pouco mais adiante. Verso 8: ―Eu ouvi, porém não entendi; então eu disse: Meu senhor, qual será o fim destas cousas?‖ Verso 9: ―Ele respondeu: Vai, Daniel, porque estas palavras estão encerradas e seladas até o tempo do fim.‖ Verso 13: ―Tu, porém, vai até ao fim; porque repousarás e estarás na tua sorte, no fim dos dias.‖ [grifos supridos]  
 
Então, qual é a palavra que aparece ecoando como um glorioso refrão nos versos que lemos? Fim. Daniel diz que suas profecias se aplicam a um específico período de tempo — o fim. Estamos de fato vivendo no fim dos tempos. Um momento crítico, quando conflitos étnicos e tribais estão eclodindo e proliferando; um tempo em que os desastres da Natureza se repetem com freqüência assustadora em todo o mundo, e fomes, terremotos, incêndios e enchentes são seu legado devastador; um tempo em que o crime aumenta vertiginosamente, põe-se longe do controle das autoridades, e a união da família se desintegra como bolhas de sabão. Sim, também um tempo de profunda instabilidade social. Olhando ao redor, podemos entender com muita clareza o apelo de Jesus para lermos e entendermos as profecias de Daniel. Esse livro é vital! Todos os 66 livros da Bíblia são importantes, todos eles são significativos, todos supremos, mas foi Daniel que Jesus, nosso Salvador e Senhor, destacou. Aceite o conselho do Mestre dos mestres.  
 
Profeta com Nome Profético
 
Comecemos nossos estudos pelo significado do nome Daniel. Ele provém de duas palavras: o sufixo ―el‖, no final, procede de um dos nomes de Deus revelado no texto sagrado, ―Elohim‖. O prefixo ―Dan‖ origina-se da tribo dos juízes. Assim, a interpretação literal do nome Daniel é ―o Deus da justiça e julgamento‖. Hoje, quando pensamos num juiz, imaginamos alguém com autoridade para condenar, mas esse não era o conceito dos julgamentos no Velho Testamento. O juiz era quem consertava tudo, quem vindicava, quem exonerava. Portanto o livro de Daniel é a expressão clara do Deus do julgamento e da justiça, do Deus do Universo, que no final fará novas todas as coisas. É ainda a expressão do Deus que Se assenta em Seu trono. Reinos surgem e caem, mas Ele, no exercício de Suas divinas prerrogativas, segura o destino das nações em Suas mãos e torna tudo novo. Na controvérsia entre o bem e o mal, no panorama entre o certo e o errado, na batalha pelo trono do Universo, o Deus da justiça, o Deus do julgamento, o Deus da honestidade fará tudo novo.  
A Derrota do Povo de Deus
 
Abra sua Bíblia, e se você tiver uma caneta, talvez queira sublinhar algumas palavras. Daniel verso 1: ―No ano terceiro do reinado de Jeoaquim, rei de Judá, veio Nabucodonosor, rei de Babilônia, a Jerusalém, e a sitiou.‖ Duas cidades: Babilônia e Jerusalém. Dois reis, Jeoaquim e Nabucodonosor. Babilônia, o centro da rebelião contra Deus, da confusão, do pecado, da apostasia. Babilônia, a poderosa cidade-nação, ataca Jerusalém, a qual Deus chamou de cidade da verdade e da obediência. Nabucodonosor, de Babilônia, toma de assalto a Jerusalém. O errado ataca o certo e Jerusalém cai.  
 
Alguém já comentou com você o fato de que se Deus é tão bom, por que o crime parece triunfar sobre o direito? Se Deus é tão bom por que uma mãe com crianças de colo está com câncer? Por que sua família passa pelo drama do divórcio? Por que um rapaz de 18 anos sofre um acidente de carro, onde um motorista bêbado saiu ileso e ele sofreu forte impacto na coluna, ficando paraplégico? Se Deus é tão bom, por que o errado parece estar entronizado? Existe um poema de Jean Rassalow que diz:  
 
A verdade sempre no cadafalso,
o errado sempre no trono.
Mesmo que o cadafalso ameace o futuro,  
Além da incerteza do desconhecido,
existe um Deus que cuida dos seus.
 
O capítulo 1 de Daniel termina com uma grande derrota sofrida pelo Deus verdadeiro. A cidade de Deus, Jerusalém, está em ruínas. O povo de Deus opresso em cativeiro. O primeiro verso introduz um tema muito controverso: o conflito entre Deus e Satanás, entre o bem e o mal, entre o certo e o errado. Essa pugna é apresentada em todo o curso do primeiro capítulo. O rei Nabucodonosor olha para um grupo de notáveis jovens hebreus e então escolhe alguns dentre os que vieram como escravos para Babilônia, para serem educados e treinados na Universidade de Babilônia, de onde poderiam sair até como futuros governantes de suas províncias.  
 
Algumas nações ainda fazem hoje a mesma coisa. Quando os russos invadiram o Afeganistão, jovens afegãos foram levados e colocados em escolas de ensino especial na Rússia, onde aprenderam a filosofia marxista-leninista. Em seguida, foram enviados pelo Kremlin como novos governantes do Afeganistão. Hitler fez isto muitas vezes com as nações que invadiu durante a Segunda Guerra Mundial. Ele trazia os jovens desses países para a Alemanha, procurando ensinar-lhes a filosofia nazista. Depois de se ―formarem‖, voltavam como governantes de seu povo difundindo essa filosofia entre as massas.  
 
O rei Nabucodonosor fez a mesma coisa. Jerusalém fora destruída e sua juventude capturada. Daniel 1, verso 4, nos fala dos jovens escolhidos pelo rei: ―Jovens em quem não houvesse defeito algum, formosos de aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e sábios em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para viver no palácio do rei, a fim de que fossem ensinados nas letras e na língua dos caldeus.‖. A palavra jovens, no texto original hebraico, quer dizer adolescentes. Acredita-se que tinham entre 17 e 18 anos quando foram levados cativos. Este é o sentido da frase: ―jovens em quem não houvesse defeito algum, formosos de aparência‖. Eles eram bonitos, musculosos, de personalidade agradável ―e instruídos em toda a sabedoria, e sábios em ciência‖. Os jovens mais brilhantes de Jerusalém e que tivessem habilidade para viver no palácio do rei, a fim de que fossem ensinados nas letras e na língua dos caldeus.                                     
 
Esquema Sutil de Corrupção
 
Verso 5: ―E o rei lhes determinou a ração de cada dia, da porção do manjar do rei e do vinho que ele bebia, e que assim fossem criados por três anos, para que no fim deles pudessem estar diante do rei.‖ Então eles foram educados na filosofia babilônica, aprenderam sobre o intelectualismo dessa cultura, sobre a sua religião e, para completar este processo de lavagem cerebral, o rei mandou mudar seus nomes originais. A razão para isso é que Nabucodonosor desejava que eles mudassem, inclusive, suas personalidades. Na Bíblia, os nomes têm importantes significados. Jacó é um exemplo. Você lembra quando Jacó enganou o próprio pai para alcançar a primogenitura que pertencia a seu irmão Esaú? Pois bem, o nome Jacó significa enganador, mas quando Jacó se encontrou com Deus, seu nome foi mudado para Israel, cujo significado é, ―lutando com Deus e prevalecendo‖. Entende-se então que uma mudança de nome significa alteração de caráter.  
 
Vocês se lembram de alguém no Novo Testamento cujo nome foi mudado? ―Saulo, o perseguidor‖, foi trocado para ―Paulo, o discípulo‖. O nome Daniel significava ―Deus é o meu juiz‖. Então, durante todo o cativeiro em Babilônia, durante todo esse processo de lavagem cerebral, durante todo o tempo em que o rei tentou influenciar sua mente, Daniel, para neutralizar a poderosa ação do novo ambiente, poderia dizer: ―Meu nome é Daniel. Deus é meu juiz. Ele está no trono e consertará todas as coisas, não o rei da Babilônia‖. Nabucodonosor tinha certeza de que precisava fazer algo para evitar essa possibilidade. Determinou que todos os nomes dos jovens cativos fossem alterados. Daniel, capítulo 1, verso 6: ―E entre eles se achavam, dos filhos de Judá, Daniel, Hananias, Misael e Azarias.‖  
 
Levando em consideração tudo o que já foi dito, por que seus nomes foram mudados? Para modificar suas identidades. Ele lhes deu nomes que correspondiam aos deuses pagãos de Babilônia. Verso 7: ―E o chefe dos eunucos lhes pôs outros nomes, a saber: a Daniel pôs o de Beltessazar…‖ O nome Beltessazar significa ―o guarda dos tesouros escondidos de Bel‖.  
 
Se voltarmos ao verso 2, vamos encontrar algo muito interessante. Veja: ―E o Senhor entregou nas suas mãos a Jeoaquim, rei de Judá, e uma parte dos utensílios da Casa de Deus, e ele os levou para a terra de Sinar, para a casa do seu deus, e pôs os utensílios na casa do tesouro do seu deus.‖ Nabucodonosor ordenou que seus soldados pegassem o candelabro de ouro e outros objetos de valor do santuário de Jerusalém e os colocassem no templo pagão de Bel-Marduque. Essa divindade era o chefe dos treze deuses de Babilônia — um tipo de deus dos deuses. Com o intuito de mostrar a soberania desse ―grande‖ deus, o nome de Daniel foi trocado. Em outras palavras estava se dizendo a Daniel que o Deus de Israel não é o seu juiz, que Jerusalém está em ruínas, destruída, e que nós (os babilônios) temos os vasos sagrados, o candelabro, os objetos que vocês usavam na adoração israelita. Bel é o responsável por eles agora. ―E o seu nome é Beltessazar, você ajuda Bel, você é o guarda dos tesouros escondidos de Bel.‖ Que terrível armadilha para Daniel!  
 
Então o chefe dos eunucos disse a Hananias, cujo nome significa ―o Senhor é bondoso comigo‖: ―Você passará a se chamar Sadraque‖. Imagine só Hananias quando bebê. A mãe está trocando suas fraldas e diz: ―Você é Hananias‖. Ela sussurrava ao seu ouvido: ―Nunca se esqueça de que você é Hananias e que seu nome significa: ‗o Senhor é bondoso comigo‘. Se tiver fartura para comer, lembre-se de que o Senhor é bondoso com você. Se estiver na pobreza, o Senhor é bondoso com você. Se estiver em cativeiro, na
Babilônia, o Senhor é bondoso com você.
 
Acho que as mães desses jovens eram muito sábias. Provavelmente iluminadas. Seu nome indicava algo importante, e sempre que um deles dissesse seu nome, por exemplo: ―Eu sou Hananias‖, estava também dizendo: ―o Senhor é bondoso comigo‖. Era óbvio que com esse nome, o processo babilônico de reeducação seria dificultado, por isso Hananias passou a ser chamado de Sadraque. Era o mesmo que dizer que seu nome não mais seria ―o Senhor é bondoso comigo‖, mas passaria a ser ―inspiração do Sol‖. Seria o deus do Sol quem passaria a brilhar bondosamente sobre ele e não o Senhor Deus de Israel.  
 
No caso de Misael, que significa ser semelhante a Deus, aquele que se parece com Deus, aquele que tem paciência, bondade, amor como o caráter de Deus, o nome escolhido foi Mesaque, que quer dizer ―o servo da deusa de Sheba‖. Era como se alguém lhe tivesse dito: ―Esqueça que você tem o caráter semelhante ao do Deus vivo e lembre-se de que daqui por diante você é servo de Sheba‖.  
 
Azarias foi o último dos três a receber outro nome de deus pagão. Azarias quer dizer: ―o Senhor é o meu ajudador‖. Seria difícil aos mestres babilônios fazer com que Azarias invocasse os novos deuses que lhe estavam sendo apresentados, tendo um nome que exaltava Jeová como o único grande ajudador. Se dissessem: ―Incline-se diante deste ídolo‖, ele responderia: ―Azarias é o meu nome, pois o Senhor é meu ajudador‖. Se ainda fosse dito: ―Você nunca verá seu pai ou sua mãe novamente, mas morrerá em cativeiro‖, Azarias se lembraria mais uma vez: ―Meu nome é Azarias, o Senhor é meu ajudador.‖ Como isso nunca daria certo, resolveram trocar o nome de Azarias para Abede-Nego, que quer dizer, ―o servo de Nebo‖. Diabólico sofisma!
 
Banquete Sedutor, Cardápio Idólatra
 
A mesa estava posta. A pressão para se conformar com uma situação aparentemente imutável era enorme. A sociedade ao redor era materialista, sexo-dirigida, moralmente corrompida, uma geração governada pela emoção. Os quatro jovens hebreus estavam sendo seduzidos e forçados a se conformar com ela.  
 
Por que você acha que num livro por nome Daniel, Deus começa com uma história e não uma profecia? Porque Deus sabe que no tempo do fim a sociedade tentará fazer lavagem cerebral em Seu povo. Deus não começa esse livro com uma profecia terrível e arrasadora, predizendo eventos futuros. Ele o inicia com a saga de jovens que estão longe de casa, cujos corações não estão postos na sociedade corrompida de um país estrangeiro, sujeitos a toda influência tendente ao mal.  
 
As vezes, em conversas com a juventude, ouço: ―Você sabe, hoje é quase impossível ser cristão e servir a Deus porque todos na minha escola fazem sexo antes do casamento. Todos na minha escola estão envolvidos com drogas, bebidas alcoólicas e festas. É impossível servir a Deus nesse ambiente. Bem, eu trabalho numa fábrica onde todo mundo pragueja e diz palavrões e é comum contar piadas indecentes. No ambiente em que trabalho é impossível servir a Deus.‖ O empresário diz: ―Você não consegue servir a Deus e ser honesto, porque eles dizem que se você é ambicioso, tem de ser desonesto.  
 
Daniel é o exemplo de um jovem fiel vivendo numa sociedade corrompida e sem Deus, cuja mente poderia ter sido deturpada. As Escrituras dizem em Daniel, capítulo 1, verso 8: ―E Daniel assentou no seu coração não se contaminar com a porção do manjar do rei, nem com o vinho que ele bebia; portanto, pediu ao chefe dos eunucos que lhe concedesse não se contaminar.‖ Note que Daniel ―assentou em seu coração‖. O que a palavra assentou significa? O termo traz o sentido de decidir, determinar-se, escolher. Daniel decidiu em seu coração, determinou-se em seu coração, Daniel fez a escolha no recôndito de sua mente.  
 
No Velho Testamento, em particular, o vocábulo coração é um termo muito especial. Ali, coração é o lugar do intelecto e da emoção, o centro do processo do pensamento. Provérbios 4:23 diz: ―Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as saídas da vida.‖ Provérbios 23, verso 7, diz: ―Porque, como imaginou na sua alma, assim é…‖ Assim, a batalha nos últimos dias da história, no fim dos tempos (por isso Jesus disse para ler e entender), é uma batalha na mente, no intelecto, e o diabo fará todo o possível através da mídia, da violência, corrupção e imoralidade apresentadas pela televisão, e da cultura alardeada como padrão pela sociedade, para mudar o seu processo de pensamento, a mente. Ele usa como ferramenta a cultura duma sociedade sem Deus e voltada para perversidade, para influenciar o processo de pensamento e as mentes, pois a mente é o lugar de todas as emoções e pensamentos.
 
Muito Mais que Animais
Nós, humanos, não somos apenas animais pensantes superiores. Temos em nossa mente a semente da decisão, que é a vontade. Ela é o poder que governa a natureza humana, que domina todas as outras faculdades. A estrutura mental dos seres humanos é diferente da dos animais.  
 
Por exemplo, cientistas da Universidade de Massachusetts, alguns anos atrás, estavam fazendo experiências com macacos. Eles notaram que no cérebro dos símios existe o que eles chamam de centro do prazer. Os cientistas implantaram cirurgicamente um sensor dentro do centro de prazer do cérebro de um desses animais. Os macacos não têm cérebro anterior, onde estão localizados a consciência, a razão e o juízo. Esses primatas trabalham em nível físico e biológico, e não no nível superior da razão ou escolha. Continuando a experiência, os cientistas colocaram um botão ao alcance do animal, para que ele eventualmente o pressionasse. Toda vez que o fazia, uma estimulação elétrica gerada dentro de seu cérebro dava ao macaco a ilusão de estar se sentindo feliz. Ele passou a associar o aperto do botão com um estado de felicidade e êxtase.  
 
Então os cientistas colocaram o macaco numa jaula. Eles queriam ver quão forte era o impulso do macaco para ser feliz. Colocaram o botão na jaula e também sua fêmea. Ele nem chegou a olhar para ela; tudo que fazia era apertar aquele botão constantemente para sentir-se muito feliz. Depois de seguidos estímulos, ele desmaiou de tanto prazer.  
 
Na continuação da experiência, os pesquisadores tomaram os filhotes do macaco e os puseram perto de sua jaula. Os macaquinhos corriam e brincavam, mas ele nem lhes deu atenção. O que realmente desejava era pressionar aquele botão e sentir-se feliz. Foi tanto estímulo que desmaiou novamente. Então, os cientistas puseram bananas, frutas e boa comida do lado de fora da jaula, mas tudo o que aquele macaco fazia era pressionar o botão. E vocês sabem o que aconteceu com ele? Morreu de tanta felicidade.  
 
Nós não somos macacos, nem somos evolução dos macacos. Mas algumas pessoas, por causa de uma sensação passageira, estão destruindo seu sistema nervoso para ter prazer. E o prazer que experimentam no álcool, no fumo, nas drogas em geral, no estilo de vida imoral e numa alimentação desregrada, os está literalmente matando. Contudo, inexplicavelmente, eles continuam ―pressionando o botão‖ vez após vez.  
 
Em Daniel, capítulo 1, verso 8 as Escrituras dizem que o profeta tomou uma decisão. Ele o fez não simplesmente para ficar passivo. Ele tomou a decisão de fazer alguma coisa que pudesse protegê-los da decadência. Daniel propôs em seu coração (sua mente) que não iria se corromper.  
 
Eu oro para que todos os jovens, adultos e idosos, tomem a decisão de não se corromperem, qualquer que seja a sedução. Meu pedido é para que você não se corrompa com o que lê, pois isso pode poluir sua mente; não se corrompa com o que assiste na tevê, isto pode emporcalhar sua mente; não se entregue ao sensualismo que degenera o corpo e os sentidos. Entregue, sim, seu corpo a Jesus! Nos últimos dias da história, Deus está procurando homens e mulheres que tenham uma paixão em seu coração e um desejo em sua vida: o de obedecê-Lo e não se corromper com as pressões e a conformidade do mundo em que vivemos.  
 
Removendo Obstáculos
 
Agora ―note que, para Daniel não se corromper, algo teve que ser dispensado. Sem isso, ele nunca poderia receber aquilo que Deus lhe desejava conceder. Quando Daniel propôs em seu coração servir a Deus, Deus propôs em Seu coração abençoar a Daniel. As Escrituras dizem em Daniel, verso 16: ―Desta sorte, o despenseiro tirou a porção do manjar deles e o vinho que deviam beber e lhes dava legumes.‖ Isto é, comida vegetariana. A Bíblia diz que o cozinheiro-chefe tirou algo do cardápio daqueles jovens. Assim também, a não ser que você permita que Deus retire algo da sua vida, como por exemplo, a raiva, a maledicência ou outros empecilhos, será impossível receber todas as bênçãos que Ele deseja dar-lhe. Para Daniel, o obstáculo a ser removido era a carne que tinha sido oferecida aos ídolos do rei, pois naquele salão de banquetes havia um grande ídolo e a carne da mesa real era ofertada ao ídolo como parte do cerimonial idólatra.  
 
Em primeiro lugar, Daniel não comeria carne oferecida aos ídolos; em segundo lugar a carne era impura. Sua herança israelita e os valores bíblicos não permitiam que ele participasse de tal alimentação. Finalmente, em terceiro lugar, aquela carne tinha sido escolhida de modo impróprio e não em harmonia com os preceitos das Escrituras ou os métodos indicados na Bíblia para os filhos de Israel. Daniel sabia que comendo daquela carne estaria participando da idolatria. A Palavra de Deus diz em Daniel, capítulo 1, verso 16, que ―o despenseiro tirou a porção do manjar deles e o vinho…‖ A não ser que você permita a Deus retirar a maledicência, a imoralidade, os ciúmes, raiva, de sua vida; a não ser que Ele retire o que está errado com e em você, o amigo não poderá receber as bênçãos do verso 17, que está na seqüência. Veja: ―Ora, a esses quatro jovens Deus deu o conhecimento e a inteligência em todas as letras e sabedoria…‖ Para receber as mais ricas bênçãos de Deus em sua vida, você precisa permitir que Ele remova os obstáculos. Existe alguma coisa separando você de Deus? Algum impedimento em sua vida? Como é possível receber as grandiosas bênçãos de Deus? Como é possível receber a abundância que Ele separou para mim?  
 
Há dois passos que levam você a receber as bênçãos de Deus. Primeiro: Decida (ponha em sua mente) agradar a Deus em todas as situações. Daniel resolveu agradar a Deus e Deus resolveu abençoar a vida de Daniel. Você já resolveu agradar a Deus? Diga firmemente agora: ―Eu nada farei em minha vida que conscientemente saiba irá desagradar ao Senhor‖. Você já está iniciando o caminho do sucesso! Segundo: Permita que Deus retire os obstáculos. Quando Deus coloca Seu dedo e algo ferve em sua vida, não importa o quanto você goste dessa coisa; não importa o quanto você a ame; não importa se isso é o seu botão pelo qual você aciona os estímulos de prazer.  
 
Diga apenas: ―Deus me criou, Deus me fez, Deus me formou, Deus me modelou, Deus sabe como me agradar melhor do que eu mesmo‖. Você acredita nisso? Acredita que Deus sabe como agradá-lo melhor do que você mesmo? Posso assegurar-lhe que se você parar de agradar a si mesmo e deixar que Deus faça isso, será muito mais feliz na vida. Existem pessoas que passam toda a vida tentando agradar a si mesmas. As vezes gastam vinte anos tentando agradar a si mesmas e depois de todo esse tempo estão mais infelizes do que antes. Oh, como eu gostaria que todas elas entendessem essa questão!  
 
Deixe Deus agradar você; entregue sua vida a Jesus e permita que Ele retire todo e qualquer obstáculo de sua existência, abrindo seu coração para receber as mais ricas bênçãos de Deus.  
 
O capítulo 1 de Daniel começou com uma grande derrota do povo do Deus verdadeiro. A cidade de Deus, Jerusalém, estava em ruínas. Os homens de Deus, Daniel e seus amigos estavam em cativeiro. O que era errado parecia ―segurar o cetro e assentar-se no trono‖. Mas vamos até o final desse capítulo. Daniel, o homem de Deus, decidiu servi-Lo em seu coração. Capitulo 1, verso 20: ―E em toda matéria de sabedoria e de inteligência, sobre que o rei lhes fez perguntas, os achou dez vezes mais doutos do que todos os magos ou astrólogos que havia em todo o seu reino.‖  
 
Daniel, Misael, Azarias e Ananias passaram com louvor nas mais difíceis provas. Eles se formaram na universidade em primeiro lugar e com direito ao título de ―doutores‖. Daniel, em especial, o homem de Deus, resistiu como uma corajosa e robusta testemunha de honestidade e integridade.  
 
Vamos agora para o verso 21. Nele existem palavras cheias de significado e impregnadas de dinamismo: ―E Daniel esteve até ao primeiro ano do rei Ciro.‖ Daniel continuou. Impérios surgem e desaparecem, reis ascendem e caem. De 605 a 539 AC, reinaram Nabucodonosor, seu filho, neto e bisneto. A Bíblia diz que Daniel esteve desde o rei da Babilônia até o rei da Medo-Pérsia.  
 
Existem hoje em nosso mundo homens e mulheres que têm apenas um desejo em seus corações: servir a Deus. Eles continuarão. A Babilônia deste mundo desabará como um castelo de cartas. A filosofia barata, o secularismo, a perversidade deste mundo irão desabar. Existe um novo reino vindo, uma nova sociedade a caminho e os filhos de Deus que decidiram em seu coração servi-Lo, passarão deste reino para o próximo, e viverão para sempre e sempre e sempre.  
 
Eu quero fazer parte desse reino, e você? Um mundo novo, uma sociedade nova. Resolva agora em sua mente servir ao Senhor Deus. Tome agora a mais importante, a mais feliz decisão de sua vida!  
 
Faça esta oração: ―Pai celestial, sinto que o mundo está à beira de um desastre. Como Jesus disse, estou vivendo nos últimos dias de sua história. Como Daniel profetizou, estou vivendo no tempo do fim. Oh, meu Pai, sei que Tu me dás o poder de escolher, a habilidade de raciocinar. Não sou um animal, não sou como um macaco guiado meramente por um prazer passageiro. Senhor, coloca em meu coração, em minha mente, o desejo de Te servir. Tu podes transformar as tristezas da minha vida em vitórias maravilhosas. Em nome de Jesus realiza essa obra em mim, Amém.
 
Um dos mistérios básicos da vida é onde procurar orientação. Quando enfrentamos uma decisão nos negócios, um pedido de casamento, uma mudança de carreira, em qual conselho você pode confiar? O próximo capitulo apresentará o roteiro seguro para você saber qual a direção certa. Leia-o com a mente aberta e em atitude de oração, pois o Espírito Santo operará em sua vida.
Voltar para o conteúdo