Salmo 003 - Salvação dos Inimigos - Estudos Bíblicos Adventistas

Estudos Bíblicos Adventistas
Ir para o conteúdo

Salmo 003 - Salvação dos Inimigos

Salmos
Salmo 03
Exposição do Salmo 003
 
O Salmo 3 foi escrito quando Davi deixava o seu palácio. Mas por quê? Ia para alguma festa em comemoração às suas honras? Não. Ia de viagem para alguma nação, a fim de conhecer outro reino? Não. Saía do palácio a fim de se encontrar com um de seus heróis? Não. Ele deixava o palácio, a fim de fugir da revolta de seu próprio filho Absalão, que estava armado e seguido de uma grande multidão, ameaçando matar o seu pai, e usurpar-lhe o trono.
 
Davi estava contemplando as consequências de seu pecado de adultério com Bate-Seba e assassinato do seu marido Urias. Seus próprios filhos estavam se desviando do caminho da justiça por seu exemplo pecaminoso. E agora, Absalão que matara o seu irmão Amnom, estava à frente de uma conspiração contra o rei de Israel, que era o seu próprio pai Davi. Esse é o contexto do Salmo 3.  
 
I – DAVI TEM DESESPERO
 
Sal. 3:1-2: “1 Senhor, como tem crescido o número dos meus adversários! São numerosos os que se levantam contra mim. 2 São muitos os que dizem de mim: Não há em Deus salvação para ele.”
 
1- De onde procedem tantos inimigos? No Salmo 2, vemos as multidões de ímpios das nações se levantando contra o Ungido de Deus. Agora, no Salmo 3, vemos as multidões dentre o próprio povo de Israel  se levantando contra Davi, o ungido de Deus. De fato, cresciam os inimigos de Davi. Davi possuía inimigos de dentro e de fora. Ele tinha inimigos dentre as nações, inimigos no reino, inimigos na família, inimigos demoníacos das trevas, e a sua própria natureza era um inimigo interno contra o mesmo Davi. E agora Absalão roubava o coração do povo a seu favor, em detrimento do rei, e se avolumavam os inimigos.
 
2- Mas será que isso é história antiga? Temos inimigos na família, no trabalho, na escola, na rua, nos centros urbanos, no mercado, no governo, e até na igreja, e em todos os lugares, estamos cercados de demônios, e ainda temos a nossa natureza pecaminosa que conspira contra nós! Temos inimigos e adversários de dentro e de fora de nossa vida! À medida que crescemos, podemos dizer com o salmista: “Senhor, como tem crescido o número dos meus adversários!”
 
3 - Então Davi ficou angustiado, vendo o seu próprio filho se levantar contra ele. Conheço um pastor cujo filho se alterou contra ele e disse: “Eu vou colocar você na justiça!” Temos ouvido muitas histórias de revoltas dos filhos contra os seus pais, e vice-versa. Num tempo em que os pais se levantam contra os filhos e os filhos se levantam contra os pais, podemos dizer com o salmista Davi: “Senhor, como tem crescido o número dos meus adversários! São numerosos os que se levantam contra mim!”
 
4 – O que diziam os inimigos?  Davi ficou desesperado quando sentiu o poder do veneno da língua dos inimigos que diziam: “Não há em Deus salvação para ele!” Os aliados de Absalão disseram sobre Davi: “ele não tem como escapar! Você vai vencê-lo e se tronar rei em seu lugar! Não há salvação para Davi!” Estas palavras produziram um profundo pesar em Davi, mesmo vindo de adversários. Esta é a mais amarga de todas as aflições: temer que não haja consolo nem salvação para nós em Deus.
 
5 – É importante o que os outros dizem a seu respeito? Sim, é muito importante, porque pode nos influenciar positiva ou negativamente. Isto é tão importante que mesmo Cristo quando esteve aqui na Terra ansiava pela simpatia humana, e perguntou certa vez aos Seus discípulos: “Quem diz o povo ser o Filho do Homem?” (Mt 16:13). Cristo estava interessado no que os outros diziam dEle, porque sabia que era muito importante o que os outros dizem acerca de nós.
 
6 – Algumas pessoas falam:Não se importe com o que os outros dizem! Viva a sua vida!” Este é um bom conselho, mas na prática, ele não consola, porque a realidade é muito diferente. É importante o que os outros dizem a seu respeito, e é muito importante o que você diz dos outros, porque os resultados podem ser benéficos ou nefastos.
 
(1) Saul teve um problema com o que os outros disseram dele. Após a vitória de Davi sobre o gigante Golias, o coro das mulheres de Israel influenciou negativamente ao rei Saul, “só” porque cantavam: “Saul feriu os seus milhares; porém Davi, os seus dez milhares!” (1Sm 18:7). “Então, Saul se indignou muito, pois estas palavras lhe desagradaram em extremo; e disse: Dez milhares deram elas a Davi, e a mim somente milhares; na verdade, que lhe falta, senão o reino?” (1Sm 18:8).
 
(2) Aitofel teve um problema com o que os outros disseram dele. Ele era um grande conselheiro nos tempos de Davi, e tinha a fama de ser muito sábio, e bem acatado em tudo o que dizia. Entretanto, bastou por uma só vez ser desatendido e desprezado o seu conselho por outro, bastou que alguém dissesse que desta vez o seu conselho não era bom, que ele armou a forca e se suicidou.
 
(3) Davi teve um problema com o que os outros disseram dele, e ficou abalado com o que os seus inimigos diziam dele, porque ele estava muito consciente de que caíra em pecado grave, contra Deus, contra Urias, contra Bate-Seba, contra a nação, e contra a sua própria família, além de manchar o seu próprio corpo, que era o templo do Espírito Santo, sobre quem ele agora clamava:  “Ó Deus... não me retires o Teu Espírito Santo” (Sl 51:10-11). Ele sabia que a causa de suas maiores aflições estava em seu pecado. E ele temia ser deixado fora da graça de Deus.
 
7 – Davi entrou em desespero. Ele ouviu a opinião dos inimigos a seu respeito, e acreditou neles, e entrou em pânico, de tal modo que ao fugir apressadamente do palácio, disse, para os poucos homens ao seu lado: “Levantai-vos, e fujamos, porque não poderemos salvar-nos de Absalão.” (2Sm 15: 14). E ele tinha razão; se ele não fugisse, o seu filho o mataria dentro do seu próprio palácio.
 
II – DAVI TEM CONFIANÇA
 
Sal. 3:3: “Porém tu, Senhor, és o meu escudo, és a minha glória e o que exaltas a minha cabeça.”
 
1 – Na vida de Davi sempre há um “Porém”. Ele era um pecador, ele cometeu um pecado grave, os seus filhos o acusavam, as suas esposas o repeliam, os seus oficiais o repreendiam, o profeta Natã o censurou, o povo falava mal dele, Deus o castigava, Absalão juntamente com milhares de traidores se ajuntaram contra ele. Davi estava condenado à morte. Ele certamente, não escaparia, porque não seria melhor do que Saul, que aparentemente, era menos culpado e foi morto! Mas Davi tinha confiança em Deus.
 
2 – Ambos fizeram confissão de pecado. Saul disse: “Pequei!” diante de Samuel (1Sm 15:24). Davi disse: “Pequei!” diante de Natã (2Sm 12:13). Ora, se ambos fizeram a mesma confissão do pecado, por que Saul foi condenado e Davi foi salvo? A diferença estava na confiança: Davi tinha confiança em Deus. Ele colocara toda a sua confiança no Eterno, ao se recompor e dizer: “Senhor (Yahweh, Eterno), és o meu escudo, és a minha glória e o que exaltas a minha cabeça.” Em outras palavras: “Senhor, Tu és a minha proteção; és a minha honra e Tu restauras o meu trono!”
 
3 – Os inimigos disseram: “Não há em Deus salvação para ele!” Mas Davi dissera: “Senhor, Tu és o meu Escudo!” Senhor, os meus inimigos estão dizendo que não há em Deus salvação para mim; entretanto, eles não sabem que Tu és o Meu Auxílio e Proteção mesmo contra eles! E Davi foi poupado. Quando as pessoas falavam mal dele, Davi se dirigia a Deus, declarando toda a sua confiança no Eterno.
 
4 - Porventura, as pessoas estão dizendo: “Você não tem jeito, você está acabado, você vai se dar mal! Você está perdido!”? Não acredite! Não permita que os outros digam que você não é querido ou querida! Do Céu o Senhor contempla a todos a quem Ele ama, para ver quem realmente confia nEle! Quando os outros falam de você, você tem alguma palavra para dizer sobre o que você pensa de Deus? Todas as coisas podem mudar se você disser a Deus, sinceramente: “Senhor, Tu és o meu Escudo, o meu Protetor, o meu Salvador!”  
 
5 - Davi clamou a Deus. V. 4: “Com a minha voz clamo ao Senhor, e ele do seu santo monte me responde.” Davi tinha tanta confiança, que era capaz de orar e saber que seria respondido pelo Deus do Céu. Mas há condições para ser atendido. Davi não orava de modo formal, intelectualmente ordenado em suas petições; ele clamava a Deus com toda a sua alma, com fervor e devoção, colocando todo o seu empenho em confiança, sabendo que Deus haveria de responder, mesmo antes de ele ver alguma evidência da atuação divina.
 
6 - Na última Guerra Mundial foram um paraquedista e um capelão, ambos de origem belga, ambos estavam presos em salas distintas, ambos não se comunicavam, e nem se podiam comunicar, e tampouco se conheciam. O paraquedista estava no mais profundo desespero, sumido em sua angústia. Ele havia sido telegrafista, ele conhecia o código Morse, e comunicou a mensagem de angústia que ia em seu coração, batendo na parede da cela e dizendo, por sinais de telegrafia: "Quão desesperador é estar sozinho." O capelão que estava preso na cela vizinha que também entendia o código Morse, ouviu a mensagem, traduziu a mensagem, e lhe enviou outra mensagem para o prisioneiro ao lado; e a mensagem era diferente, dizia ele: "Quão venturoso é estar sozinho com Deus."
 
III – DAVI TEM SEGURANÇA
 
Sal. 3:5: “Deito-me e pego no sono; acordo, porque o Senhor me sustenta.”
 
1 – Disse Furtonchin, arcebispo de Nova York, que nos Estados Unidos da América são consumidos 6 milhões de sedativos cada dia. Homens e mulheres que não conseguem dormir. Não conseguem conciliar o sono natural, a noite se arrasta monótona, e eles buscam nestes sedativos, nestes tranqüilizantes, nestes barbitúricos afrouxar a tensão nervosa, buscam conciliar o sono, sono artificial. O homem moderno pode comprar um bom colchão de molas, mas não pode comprar um sono reparador.
 
2 – Davi tinha fortes razões para não dormir. Ele estava sendo traído por alguns de seus oficiais de confiança, ele foi traído pelo povo, ele foi traído pelo próprio filho Absalão, a quem ele tanto amava. E após ser obrigado a fugir de seu próprio palácio e deixar o seu trono, escapava por sua vida, porque já estava condenado à morte. De fato, “o salário do pecado é a morte” (Rm 6:23), e Davi havia pecado contra Deus. E, para piorar a sua situação, os inimigos de Davi diziam: “Não há em Deus salvação para ele”, porque ele pecou à plena luz do dia! Como poderia Davi dormir diante de tudo isso?  
 
3 – Mas quando um homem confia em Deus, mesmo em meio às circunstâncias mais escuras, mesmo em meio às condições mais adversas, ele tem segurança e desfruta paz, doce paz interior, alegria inexprimível. Mesmo assediado por uma multidão de inimigos, Davi podia conciliar o sono e dormir tranquilamente. Davi podia dormir em paz, mesmo quando havia um exército rebelde no encalço de sua vida! Jesus Cristo podia dormir, mesmo sabendo que muitos inimigos planejavam a Sua morte. Certa vez, Ele surpreendeu aos Seus discípulos, dormindo em meio a uma grande tempestade no mar da Galileia. A maior segurança é dormir em meio a uma situação perigosa, com risco de vida.
 
4 – Por que as pessoas não podem dormir? Muitos não dormem por causa do medo. Os pobres não dormem com medo de não ter o que comer; os ricos não dormem com medo de ser roubados pelos pobres. Os perseguidos não dormem com medo dos seus perseguidores; e os perseguidores não dormem com medo da vingança dos perseguidos.
 
5 – O medo se agiganta e assusta a milhões de pessoas neste mundo. Em nosso tempo, muitos temem perder o emprego; outros temem um ataque cardíaco, outros ainda temem chegar à velhice. Algumas pessoas temem as trevas da noite, outros temem perder a popularidade. Mas o pior de todos os temores é o medo de pessoas, assassinos, bandidos, homens armados, ou tarados que crescem como cogumelos, afrontando e atemorizando os mais destemidos, em nossa era após o século da luzes.
 
6 – Mas Davi podia dizer: V. 6: “Não tenho medo de milhares do povo que tomam posição contra mim de todos os lados.” Ele podia dormir em paz, e acordar tranquilo, porque Deus o sustentava. Esta era a sua maior segurança. Se Deus nos sustenta, não precisamos temer. Basta confiar em Sua segurança, porque Ele tem cuidado de nós.
 
7 - Certa vez, caminhavam por uma estrada escarpada, um pai com o seu filho de 5 anos. A noite era escura, a montanha se apresentava áspera em seu apêndice. O menino loquaz no início da jornada, a pouco e pouco silenciava, vestido pelo medo. Era escuro e ele estendeu a sua pequena mão, e tomou em sua mão débil a mão robusta, a mão calosa do papai, e disse:-- "Papai, nós não estamos com medo, não é verdade?" Os dois juntos não estavam com medo, mas um sozinho temia. O contato da mão do pai lhe deu coragem naquela noite escura.      Sim, disse Deus: "Eu, o Senhor, teu Deus, que te tomo pela Minha mão direita, e te digo: Não temas, porque Eu te ajudo." (Isa. 41:13).
 
IV – DAVI TEM CERTEZA
 
Sal. 3:7: “Levanta-te, Senhor! Salva-me, Deus meu, pois feres nos queixos a todos os meus inimigos e aos ímpios quebras os dentes.”
 
1 – Davi faz uma fervente prece. No v. 4, ele disse que clamava; no v. 7, ele apresenta o conteúdo do seu clamor.  Ele clama a Deus, ele faz um apelo veemente para que tome uma iniciativa e se levante para salvá-lo dos seus inimigos. Ele não confia no braço de carne; não confia em suas próprias forças. Ele faz uma petição muito clara e específica: “Senhor, salva-me de todos os meus inimigos!” É certo um cristão pedir para que Deus o defenda dos seus inimigos? Claro, porque Deus é o nosso Escudo, Ele é o nosso Advogado! Somente Ele pode nos defender de todo o mal contra nós. Você já fez essa oração? Já pediu para que Deus Se levante para salvá-lo dos seus inimigos?
 
2 – Mas há uma expressão singular nesta oração: “pois feres nos queixos a todos os meus inimigos e aos ímpios quebras os dentes.” Mas como pode um homem de Deus fazer tal oração? Como pode pedir a Deus que vá ferir os seus inimigos e quebrar os seus dentes? Não nos ensinou Jesus Cristo que orássemos em benefício de nossos inimigos? (Mt 5: 44). Sim, mas no contexto do Antigo Testamento, era isso mesmo o que acontecia nas guerras de Israel que foram ordenadas por Deus, a fim de serem executados os Seus julgamentos contra as nações ímpias. Os inimigos de Davi eram também inimigos de Deus, pois são chamados de “ímpios” (v. 7). A palavra “ímpio” significa todo aquele que não tem relacionamento com Deus, todos os que são Seus adversários. A teologia bíblica revela que os inimigos do rei de Israel são inimigos do povo de Deus e consequentemente inimigos do próprio Deus.
 
3 – Mas Davi também está falando em termos proféticos sobre o que acontecerá finalmente com todos os adversários de Deus. O salmo 3, que estamos estudando, diz que Deus fere os ímpios e quebra os seus dentes (v. 7). O Salmo 1, diz que “o caminho dos ímpios perecerá” (v. 6); o Salmo 2, diz que o Messias regerá as nações de ímpios “com vara de ferro”, e serão despedaçadas (v. 9), e esta é uma profecia que se cumpre escatologicamente em Ap 19:15, onde lemos: “Sai da sua boca uma espada afiada, para com ela ferir as nações; e ele mesmo as regerá com cetro de ferro e, pessoalmente, pisa o lagar do vinho do furor da ira do Deus Todo-Poderoso.”  
 
4 – Davi tem certeza de salvação. Ele tem a certeza de que a salvação é propriedade de Deus: V. 8: “Do Senhor é a salvação”. Mais tarde, quando Jonas se encontrava no ventre do grande peixe, em meio ao seu desespero, ele disse: “Ao Senhor pertence a salvação!” (Jn 2:9). Assim devemos nós ter certeza de nossa salvação e dizer: “Salvação? Só em Deus!” Enquanto as pessoas confiarem em si mesmas para a salvação, jamais poderão ter certeza de serem salvos. A certeza de salvação só ocorre quando descansamos em Deus.   
 
5 – Davi ora pelos seus inimigos. Ele continua a sua oração dizendo no v. 8: “e sobre o teu povo, a tua bênção.” Davi estava decepcionado com o seu povo, mas não estava decepcionado com Deus. E se o seu povo era o povo de Deus, ele é capaz de orar em favor do seu povo, perdoar a traição e rogar a bênção de Deus para o mesmo povo. Aqui o pastor de Israel ora por seu povo que o traía, e deseja-lhes a bênção de Deus. Ele cumpriu as palavras de Jesus, amando os inimigos e orando por eles. Esta é a nobreza de Davi cujo coração era semelhante ao coração de um Deus perdoador e completamente misericordioso.
 
6 - Você está orando pelos seus inimigos? Ora por seus traidores? Muitas pessoas se dizem cristãs, mas estão sendo usadas pelo arqui-inimigo, Satanás. Se alguém está perseguindo a você, talvez ele esteja sendo enganado por outros, como muitos dentre o povo de Israel estavam sendo enganados por Absalão e seus líderes seguidores. O que fazer? Você deve orar por eles, a fim de que a bênção de Deus seja sobre eles, e finalmente sejam iluminados e reconheçam que fazem o trabalho do inimigo de Deus, e se convertam e sejam transformados em amigos.  
 
7 – Um dia veremos todos os inimigos sendo destruídos, mas hoje ainda há tempo para que muitos se convertam e deixem de fazer a obra de Satanás e façam as obras de Deus. Não temos tempo para formar inimizades, e nos ofender por pouco, muito menos abandonar a igreja por motivos corriqueiros. Não temos tempo de nos vingar. Isso é um assunto para Deus resolver. Vamos hoje assegurar a nossa própria salvação. O nosso tempo também deve ser dedicado pregando a mensagem de que “Do Senhor é a salvação!”
 
Pr. Roberto Biagini
Mestrado em Teologia
prbiagini@gmail.com
Voltar para o conteúdo